sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Contra, nada contra


Nunca parei pra pensar no que exatamente o nome do meu blog quer dizer. Ele surgiu apenas para ser uma espécie de eco do Mundo Controverso do @ClaudioBhte e uma brincadeira com a palavra contra. Ele - Cláudio Campos - de fato é bem do contra. Não conheço ninguém que seja mais do contra que do que esse aquariano. E por ocasião das eleições eleitorais, tenho observado como as pessoas reagem quando se trata de política. Ninguém é a favor do candidato que vai ganhar seu voto, mas é, sobretudo, CONTRA quem faz oposição a ele. Parece muito com torcida de futebol e, pelo frenesi que o assunto causa na web, especialmente no Twitter, parece que a final da Copa do Mundo vai ser no dia 31 de outubro...

Ariana até no nome, sempre defendo fervorosamente minhas posições políticas desde cedo. Antes do vote 16 ser aprovado, fui anti-Collor e pró-Lula. Há oito anos atrás, fui exclusivamente Lula e hoje sou anti-Lula e anti-Dilma, o que não significa, sobremaneira, que seja pró-Serra. Direita, esquerda, esquerda, direita,  meia volta volver! Não aguento mais! Política, futebol e religião, na minha opinião, só serve para separar as pessoas e há muito tempo penso assim...

Vejo que as escolhas políticas das pessoas geralmente se pautam em interesses pessoais e/ou naquilo que os marketeiros dos partidos políticos elaboraram para promover seus candidatos. Então, começo a pensar quem é mesmo que decide quem vou eleger como meu representante diante do mundo inteiro... Ser do contra custa muito caro; disso tenho certeza. Custa, às vezes, amizades. E o "vive la différence" não faz o menor sentido nos lábios dos que não respeitam quem não pensa como eles.

Sou contra e nada contra. Sou contra não olhar pra dentro de si mesmo antes de julgar os outros. Nada contra ser fiel aos seus princípios. Sou contra coerção. Nada contra liberdade de expressão. Sou contra o desrespeito e intolerância. Nada contra dizer o que se pensa e o que se sente. Sou absolutamente contra não ser eu mesma e nada contra ser quem sou.




Um comentário:

Cláudio disse...

Eu não sou bem "do contra", apenas não gosto de deixar me levar pela opinião da maioria. Ou seja, eu penso. E é melhor ser "do contra" do que ser a favor.
Verdade, as pessoas votam pensando em si mesmas, nas vantagens que pode obter com a vitória do candidato "escolhido" e não no bem geral.
Entre 1978 e 1979, quem me perguntasse quem era meu cantor favorito eu dizia Bob Seger, pelo menos naqueles anos ele foi meu cantor preferido.